sexta-feira, 3 de abril de 2009

Qual o diagnóstico?


Paciente de 17 anos, primigesta, Ig: 15 sem e 3 dias, chega à emergência com queixas de náuseas e vômitos incoercíveis, não aliviados com o uso de metoclopramida e domperidona e sangramento vaginal há 02 dias. Nega dor abdominal. Ao exame: PA: 155x100 mmHg, FC: 100 bpm, hipocorada (+/4+), eupnéica, lúcida e orientada, ansiosa. Fundo uterino palpável a 25 cm da crista púbica, batimentos cardíacos fetais não audíveis após extensa pesquisa. Diz não ter realizado ecografia, que descobriu estar grávida há 03 semanas, por exame de urina. Ao exame especular, via-se sangramento claro, em pequena quantidade, bolhoso, proveniente do orifício externo do colo.
Preocupado, você recebe os seguintes resultados de exames: EAS: dens 1.020; pH 6,0, proteínas (++), hemácias (+++), Bioquímica: Ur 25, Cr 0,5; Beta-HCG sérico: 223.000; 

Dada a US ao lado, qual o seu diagnóstico e conduta ?

Mola hidatiforme (provavelmente completa), doença hipertensiva específica da gestação (pré-eclâmpsia, nesse caso, anterior à 20a. semana), hiperêmese gravídica.
Conduta: esvaziamento uterino 

Achados ecográficos: tecido intra-uterino ecogênico, com múltiplas áreas amorfas hipoecóicas e cistos ovarianos teca-luteínicos.

A discussão diagnóstica será feita em outro post oportuno!

Para aprofundar-se no assunto:

Nenhum comentário:

Postar um comentário