quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Encefalopatia espongiforme transmissível (Doença de Creutzfeldt-Jakob) - critérios diagnósticos adicionais

Foi publicado no periódico Brain em outubro de 2009 o resultado de uma pesquisa de um consórcio internacional de estudo da doença de Creutzfeldt-Jakob esporádica, que propõe critérios adicionais por ressonância magnética (hipersinal em seqüências FLAIR e DWI caudado-putaminal e em 2 regiões corticais - temporal-parietal-occipital)  para o diagnóstico de DCJ provável ou possível. A proposição do MRI-CJD consortium sobrepõe-se aos clássicos critérios da Organização Mundial de Saúde (1998) e da University of California San Francisco (2007) para a doença.

Vale a pena dar uma lida, pois, apesar de uma doença rara, é importante para o neurologista saber diferenciar tal doença de outras demências rapidamente progressivas antemortem.

O link para os critérios diagnósticos clássicos pode ser visto aqui.

O link para o artigo completo com os critérios do consórcio internacional MRI-CJD (2009) pode ser visto aqui.


Zerr, I., Kallenberg, K., Summers, D., Romero, C., Taratuto, A., Heinemann, U., Breithaupt, M., Varges, D., Meissner, B., Ladogana, A., Schuur, M., Haik, S., Collins, S., Jansen, G., Stokin, G., Pimentel, J., Hewer, E., Collie, D., Smith, P., Roberts, H., Brandel, J., van Duijn, C., Pocchiari, M., Begue, C., Cras, P., Will, R., & Sanchez-Juan, P. (2009). Updated clinical diagnostic criteria for sporadic Creutzfeldt-Jakob disease Brain, 132 (10), 2659-2668 DOI: 10.1093/brain/awp191

2 comentários:

  1. E agora parece que pode ser transmitida pelo ar:
    http://www.plospathogens.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.ppat.1001257
    ------

    []s,

    Roberti Takata

    ResponderExcluir
  2. Caro colega, obrigado pelo comentário. É uma colocação muito interessante. Com o crescimento das evidências das formas de transmissão, aqueles que devem se preocupar mais insistentemente com ela são os profissionais de saúde, que se expõem em contato direto com casos suspeitos. Ainda temos muito o que aprender e descobrir sobre os príons.

    ResponderExcluir